segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Veredas da Poesia


                                                                  Anastassia Elias
                                                                                        Rolo de Papel Higiénico Reciclado

NÃO TENHAS nada nas mãos
Nem uma memória na alma,

Quando te puserem 
Nas mãos o óbolo último,

Ao abrirem-te as mãos
Nada te cairá.

Que trono te querem dar
Que Átropes to não tire?

Que louros que não fanem 
Nos arbítrios de Minos?

Que Horas que te não tornem
Da estatura da sombra?

Que serás quando fores
Da noite e ao fim da estrada?

Colhe as flores mas largue-as,
Das mãos mal as olhaste.

Senta-te ao sol. Abdica
E sê rei de ti próprio.

                                                 Ricardo Reis (Fernando Pessoa)

um belo epitáfio...

Sem comentários: